REHAB 2017

1.00_10_10_19.Still001©ALIPIOPADILHA-2

Querido público,
isto não é uma carta de amor. E muito menos uma carta de guerra. Nem sequer é uma carta. É um espetáculo incompleto. Para o que nos havia de dar! Toda a gente sabe que não se faz espetáculos incompletos. E por isso preciso de ti. (chora) Mas preciso que mudes. (chora mais) Tenho tantas saudades tuas, se tu soubesses! (chora ainda mais) Nunca saberei escrever este texto se nunca me leres. AESTETIC**—-GOIU—- REL–H–
ACCIÓN*+++++CHOI+++++PUB—«««««%%EA%%%$$”””1”#$%&()=?»W*C*  *AIUOESCOIEJHESEACOU! Discurso disruptivo, aí está. (sorri) Hoje vamos mudar de posição. Estou farto de me amar e a nostalgia é bafienta. (sorri mais e mata
alguém) Hoje vamos reconfigurar, vamos redefinir. Amar um outro lugar – reabitar, será essa a palavra. Corpo, lugar. (casa-se) Acabou-se a anacronia, neste espetáculo nada nem
ninguém é privado: novas relações, sítios ainda não reconhecíveis. (deita-se e coça a virilha) Quero muito ver -te e que me vejas, quero ver se já cresceste. Se já te emancipaste, tas a ver a cena? (beija um cisne) O voyeurismo ganha sempre, não é? O mesmo espelho negro para o qual tu olhas é o mesmo que te vê e perscruta, que é igual a dizer: que te vigia. Torna-te imagem e faz-te miragem, és produto de masturbação e carne para canhão. (despe um vestido cor de chuva) Rehab baby, é o som de uma partitura partilhada: nós. Ser ou não ser, já não é refrão. Toca. Toca-me e depois chateamo-nos. Toca-me e foge. Vamos acabar com este binómio. (divorcia-se) Ampliá-lo, aliás. A lilás. A azul. A prateado. A verde. A todas as cores. (desce da teia uma cortina marisol) Querido público, eu e tu, temos apenas um nome nas várias existências, um terceiro género: Rehab. (✔)

20 de Abril a 7 de Maio
4ª a Sáb às 21h45 e Dom às 17h00
Sala Estúdio do Teatro da Trindade

Descrição:
REHAB visa à construção de uma dramaturgia que permita reflectir sobre o papel do espetador enquanto elemento essencial do espetáculo e suas autoridade, capacidade e qualidade co-criadoras.
Partindo do pressuposto – não consensual – de que o público, enquanto elemento do espetáculo, assume o lado passivo e receptor de toda a ação, pretende-se problematizar e acentuar questões levantadas pela “estética relacional” e pela subjectividade na criação de objetos artísticos contemporâneos.
Em REHAB analisam-se as características externas e internas de um determinado público, sempre na tentativa de ‘reabilitação’ desse público e consequentemente daquilo de que é elemento fundamental: o espetáculo de teatro.

Criação: SillySeason
Com: Ana Sampaio e Maia, Cátia Tomé, Ivo Silva, João Cristóvão Leitão e Ricardo Teixeira
Voz Off: Tiago Mansilha
Figurinos e Adereços: João Silva
Figurino de Época Romântica: Vicente Trindade
Colaboração Design de Luz: Carolina Caramelo
Apoio Técnico: Manuel Abrantes
Fotografias de cena: Alípio Padilha
Comunicação: Rita Tomás
Produção: SillySeason
Apoios: Teatro Cão Solteiro, Copianço Print, MTC Management Technical Consulting, O Espaço Do Tempo, Polo Cultural Gaivotas l Boavista, Câmara Municipal de Lisboa e Rua das Gaivotas6

M/12
8€ / 5€ com descontos
+ info e reservas: 21 342 3200 (bilheteira)
Rua Nova da Trindade nº9, Lisboa,PT

2017©SillySeason

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s